quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Crônica Carioca de Todos os Tempos_Artur da Távola

O jornalista Paulo Alberto Monteiro de Barros, que passou a assinar Artur da Távola na “Última Hora” depois de voltar do exílio, era político, crítico musical e de televisão, apresentador de programas e também um excelente cronista.
A última crônica de Artur da Távola, publicada no jornal O Dia, aqui do Rio.




"Camarão com catupiri 


Artur da Távola

Ainda rapaz, minha mãe anunciava com alegria, ao receber o salário modesto de funcionária pública no fim do mês: “Hoje vai ter camarão com catupiri”.

Prato denso pela consistência daquele requeijão no qual, ademais, ela adicionava deliciosos palmitos. Não usava molho de tomate de lata (“muito ácido”, dizia), nem colocava ervilhas. O camarão era grande, gostoso e bem mais barato então. Falo de molho de tomate e ervilhas porque, depois, a especiaria ganhou fama e até estrelato em nobres cardápios, tornando-se, também, salgada no preço. Apareceu em jantares finos e restaurantes metidos. E com molho de tomate e ervilhas.

Aos poucos, porém, foi perdendo ‘status’. Dos jantares finos sumiu, porque se tornou lugar comum e, também, porque camarão é caro e rico não é besta.

Nos restaurantes (r)existe, porém, pálida lembrança: o (que era) ‘catupiri’ com camarão está mais para molho branco com farinha de trigo que para o velho e saboroso requeijão. E o pior! Caso se deseje usar o catupiri mesmo, ao vivo e a cores, este envelheceu, tornou-se ralo e aguado, dissolve-se e dessora uma gordura amarelada. Sucumbiu aos imitadores. E, depois destes, veio ainda a legião de copos e mais copos de requeijão cremoso, díspares na qualidade e malandros nos preços, porém mais práticos até pelo aproveitamento do copo que substitui a simpática caixinha redonda, de madeira. Mas sem a mesma consistência de quase queijo, com certeza.

Pobre vovô catupiri, que não conseguiu entrar com saúde na terceira idade! A vertigem do consumo o pilhou desprevenido, sem condições de reproduzir a classe de antigamente. Mesmo assim resiste, que bom! Apesar de soltar a amarela e assustadora camada de gordura liquefeita, para tais iguarias ainda é melhor que o requeijão de copo, pois este precisa ser engrossado com farinha; e o “catupa”, não.

Ele virou, porém, marca e símbolo de um modo de cozinhar acepipes: coxinha de frango com catupiri; rissole de camarão com catupiri; empadinhas de galinha ou camarão com catupiri. O nome prolifera e dobra o preço: rissole de camarão custa a metade de rissole de camarão com catupiri. E a imaginação criadora disparou, inventando até um deslumbrante croquete de aipim recheado com catupiri. Comi um na ‘Chez Anne’ e quase chorei de emoção.

Mas o camarão com catupiri inesquecível de minha mãe, este não existe mais.

O tempo o levou. E a ela, cuja perda não tem solução."




terça-feira, 15 de agosto de 2017

Ordem da Rosa


A imagem pode conter: área interna



Order of the Rose, Empire of Brazil 1822-1889.
Imperial Ordem da Rosa




" A Imperial Ordem da Rosa é uma ordem honorífica brasileira. Foi criada em 27 de fevereiro de 1829[1] pelo imperador D. Pedro I (1822 — 1831) para perpetuar a memória de seu matrimônio, em segundas núpcias, com Dona Amélia de Leuchtenberg e Eischstädt.

O seu desenho foi idealizado por Jean-Baptiste Debret que, segundo discutido por historiadores, ter-se-ia inspirado ou nos motivos de rosas que ornavam o vestido de D. Amélia ao desembarcar no Rio de Janeiro, ou ao se casar, ou num retrato da mesma enviado da Europa ao então Príncipe.

A ordem premiava militares e civis, nacionais e estrangeiros, que se distinguissem por sua fidelidade à pessoa do Imperador e por serviços prestados ao Estado, e comportava um número de graus superior às outras ordens brasileiras e portuguesas então existentes.

De 1829 a 1831 D. Pedro I concedeu apenas cento e oitenta e nove insígnias. O seu filho e sucessor, D. Pedro II (1840 — 1889), ao longo do segundo reinado, chegou a agraciar 14.284 cidadãos. Além dos dois imperadores, apenas o duque de Caxias foi grande-colar da ordem durante sua vigência.

Um dos primeiros agraciados recebeu a comenda em virtude de serviços prestados quando de um acidente com a família imperial brasileira: conta a pequena história da corte que, em 7 de dezembro de 1829, recém-casado, D. Pedro I regressava com a família do Paço de São Cristóvão, na Quinta da Boa Vista.

Como de sua predileção, conduzia pessoalmente a carruagem quando, na rua do Lavradio, se quebrou o varal da atrelagem e os cavalos se assustaram, rompendo as rédeas e fazendo tombar o veículo, arrastado perigosamente. O Imperador fraturou a sétima costela do terço posterior e a sexta do terço anterior, teve contusões na fronte e luxação no quarto direito, perdendo os sentidos. Mal os havia recobrado quando o recolheram à casa mais próxima, do marquês de Cantagalo, João Maria da Gama Freitas Berquó.

Segundo o Boletim sobre o Desastre de Sua Majestade Imperial e Fidelíssima publicado no Jornal do Commercio, Dona Amélia foi a que menos cuidado exigiu: "não teve dano sensível senão o abalo e o susto que tal desastre lhe devia ocasionar". A filha primogênita, futura Maria II de Portugal, "recebeu grande contusão na face direita, compreendendo parte da cabeça do mesmo lado". Augusto de Beauharnais, príncipe de Eichstadt, Duque de Leuchtenberg e de Santa Cruz, irmão da imperatriz, "teve uma luxação no cúbito do lado direito com fratura do mesmo".

A baronesa Slorefeder, aia da Imperatriz, "deu uma queda muito perigosa sobre a cabeça". Diversos criados de libré, ao dominarem os animais, ficaram contundidos. Convergiram para a casa de Cantagalo os médicos da Imperial Câmara e outros, os doutores Azeredo, Bontempo, o barão de Inhomirim, Vicente Navarro de Andrade, João Fernandes Tavares, Manuel Bernardes, Manuel da Silveira Rodrigues de Sá, barão da Saúde.

Ao partir, quase restabelecido, D. Pedro I condecorou Cantagalo a 1 de janeiro de 1830 com as insígnias de dignitário da Ordem e D. Amélia lhe ofereceu o seu retrato, circundado por brilhantes, e pintado por Simplício Rodrigues de Sá.

Foram ainda agraciados com a Imperial Ordem da Rosa os membros da Guarda de Honra que acompanhavam da Independência do Brasil.

Após o banimento da família imperial brasileira, a ordem foi mantida por seus membros em caráter privado, sendo seu grão-mestre o chefe da casa imperial brasileira."




segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Ressaca de agosto dando show



RESSACA ESTÁ UM ESPETÁCULO!
Até surf na Baía de Guanabara!


A imagem pode conter: oceano, água, atividades ao ar livre e natureza

A imagem pode conter: nuvem, céu, montanha, atividades ao ar livre e natureza

A imagem pode conter: oceano, montanha, atividades ao ar livre, natureza e água

sábado, 12 de agosto de 2017

Dia do papai é criação... carioca!



Na verdade, a data foi pensada por um publicitário chamado Sylvio Bhering, à época diretor do jornal carioca O Globo, em 1953.

O objetivo de Bhering era tanto social quanto comercial. A tentativa inicial foi associar a data ao dia de São Joaquim, pai de Maria, mãe de Jesus Cristo, que é comemorado em 16 de agosto, no calendário litúrgico da Igreja Católica, já que a população brasileira era predominantemente constituída de católicos. No entanto, nos anos seguintes, a data também foi deslocada para um domingo, o segundo domingo do mês de agosto – e assim permanece até hoje.

Em ilustração na primeira página o DIA DO PAPAI era anunciado pela primeira vez
Em 1953, o jornal ainda não possuía edição dominical e assim a reportagem sobre o Dia dos Pais saiu na edição de sábado, dia 15 de agosto.


A matéria falou da repercussão da data promocional



quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Música Carioca da melhor qualidade...

QUARTETO DO RIO, grupo criado pelos ex-integrantes do tradicional grupo Os Cariocas, cantam   músicas da melhor qualidade.


Pianista/vocalista Leandro Freixo,  fazendo a 1ª voz e tocando piano, juntamente com Fabio Luna, 2ª voz, bateria e flauta, Neil Teixeira, 3ª voz e baixo e Eloi Vicente, 4ª voz e violão.


Maravilhoso arranjo à capela ,de Eloi Vicente!

domingo, 6 de agosto de 2017

Edifício Marajoara, art déco carioca



Edifício Marajoara localizado na Rua Prudente de Morais nº 814, em Ipanema é um belo exemplar do ART DÉCO na arquitetura carioca.

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Projetado pelo arquiteto Alcides Cotia teve sua construção iniciada nos primeiros anos da década de 1940. Na época, em meio à segunda guerra mundial, o prédio acabou ganhando um abrigo antiaéreo em seu subsolo, que hoje é usado como depósito. Em 1945 os moradores começaram a ocupar os 32 apartamentos de três quartos, distribuídos em oito andares. O grande destaque dessa construção, que já foi a mais alta do bairro, é a inspiração marajoara espalhada pela fachada, entrada e até no nome do prédio.

Resultado de imagem para Fernando Ferreira Botelho, o dodô do Flamengo
Dentre eles está Fernando Ferreira Botelho, também conhecido como Dodô, o primeiro goleiro profissional do time do Flamengo, na década de 1930. Nascido em três de março de 1913, ele vive no mesmo imóvel há 72 anos. Quando ele encerrou a carreira o Flamengo lhe pagou uma indenização, que quitou cerca de 65% do valor do imóvel. Nessa época, segundo Dodô, o Marajoara, tinha vista até da Avenida Niemeyer.


Nenhum texto alternativo automático disponível.

Portão de ferro e vidro e lindas faixas trabalhadas em baixo relevo, com motivos que nos remetem a um grafismo de espírito indígena marajoara; corrimão em ferro
Nenhum texto alternativo automático disponível.


Nenhum texto alternativo automático disponível.



Nos fundos do Edifício Marajoara, a circulação de ar é completa por se tratar de uma construção feita em centro de terreno. Ao fundo temos o mar de Ipanema entre os prédios!

As janelas têm venezianas e sob os vãos das janelas aparecem lindas faixas trabalhadas em baixo relevo, com motivos que nos remetem a um grafismo de espírito indígena marajoara.


Nenhum texto alternativo automático disponível.Nenhum texto alternativo automático disponível.  

terça-feira, 1 de agosto de 2017

O dente do poeta... arquivado no Rio


Um verdadeiro patrimônio cultural brasileiro, 
o Real Gabinete Português de Leitura 
 - a maior biblioteca portuguesa fora de Portugal - 
foi criado em 1837 
por ilustres imigrantes portugueses. 

Hoje possui uma biblioteca pública com mais 350.000 títulos e obras raras, como a primeira edição de Os Lusíadas de Luís de Camões, de 1572 e manuscritos autógrafos como o da peça Tu só, tu, puro amor de Machado de Assis; o do romance Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco e o do Dicionário da Língua Tupy de Gonçalves Dias, além de jornais, revistas e vasta correspondência de escritores. Recebeu o título de "Real" em 1906, atribuído pelo rei D. Carlos. 

Desde 15 de Março de 1935, quando pelo decreto nº 25.134, o governo português lhe concedeu o benefício de "depósito legal", o acervo do Real está em atualização permanente, em termos do que se edita em Portugal. O Real Gabinete tem ainda uma coleção de numismática e um acervo artístico de qualidade, com pinturas, esculturas e pratarias dos séculos XIX e XX.

Com a pedra fundamental lançada em 1880 pelo Imperador D. Pedro II, a atual sede foi inaugurada em 1887.


Em meio às edições raras, como Os Lusíadas e outros tomos seculares, repousa no Real Gabinete Português de Leitura, o "xodó" do gabinete. É o manuscrito de 'Amor de Perdição', de Camilo Castelo Branco. Ele o escreveu em 15 dias quando estava preso no Porto. É único no mundo.






Há ainda na instituição um inusitado e dos mais exóticos itens, um suvenir do poeta português. Trata-se do dente do escritor e poeta arcadista Camilo Castelo Branco (1825 - 1890), que foi parar na coleção depois de atormentar o autor de Amor de Perdição até ser finalmente extraído em uma intervenção radical. Encontra-se numa vitrine na sala da diretoria.

Medindo menos de 2 centímetros, a relíquia ganhou um artigo inteiro dedicado a ela em uma edição da publicação Relações Luso-Brasileiras.



O incisivo chegou ao Real Gabinete doado por um amigo do escritor juntamente com uma coleção(chamada de "camiliana), formada por inúmeros livros, cartas e documentos pertencentes ao escritor.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Na onda do carioca Lima Barreto


Com a FLIP deste ano homenageando Lima Barreto, o escritor carioca fica na onda e vira moda.

Desde sempre já é aqui no blog, que relembra que o  primeiro RIO QUE MORA NO MAR, em  28 de fevereiro de 2008, se inspirou em... Lima Barreto.

Aliás, esse texto do RIO QUE MORA NO MAR foi e é plagiadíssimo em vários blogs internet afora desde então, e, infelizmente, sem os devidos créditos.


Remexendo no baú,
trago à tona  três posts,
em que falo desse carioca genial.

Vale (re)ler!

  Ressacas  






segunda-feira, 24 de julho de 2017

Samba nos States...



Um recorte de jornal de julho de 1967,
nos fala de uma personagem da vida carioca, lá atrás... há 50 anos:
Ana Maria, a dama de branco, agora de azul, das ruas de Ipanema.
































Veja mais  AQUI

terça-feira, 18 de julho de 2017

Dez palavras bonitas... no Rio de 1957


No saboroso ofício de garimpar a história carioca encontrei uma série chamada "  DEZ PALAVRAS BONITAS", na coluna Porta de Livraria, de Antônio Olinto, que trouxe à tona interessantes pontos de vista .

Consideradas o que são palavras bonitas -  por intelectuais, escritores  no ano de 1957, há 60 anos atrás - desde unanimidades como saudade até  a inusitada ...perereca. 

Veja  algumas das listas, nos recortes, abaixo.









E VOCÊ JÁ PENSOU
QUAIS SERIAM SUAS
DEZ PALAVRAS BONITAS?



Em tempo: pra mim, as dez palavras são AMOR, ESPERANÇA, CORAGEM, OLHAR, MAR, FÉ, VITÓRIA, SAUDADE, MÚSICA  e SONHO.


sexta-feira, 14 de julho de 2017

14 de julho...allons enfants...uma história carioca



Remexendo no baú 
me deu vontade de relembrar essa história 
que postei há 8 anos atrás.
Memórias de outros tempos,
de uma cidade não só bela, 
mas terna.

Vamos superar!



Até lá reviver saborosos momentos conforta e encoraja um coração carioca.



Hoje acordei me lembrando da Marseillaise...                                                                                        CONTINUE A LER AQUI


Nenhum texto alternativo automático disponível.



quarta-feira, 12 de julho de 2017

Nesse julho de entardecer bonito...


Lá atrás, em 1967, há 50 anos, o frio e as águas de Copacabana geravam a manchete






segunda-feira, 26 de junho de 2017

Teresinha Morango, 60 anos da eleição de Miss Brasil

Em junho de 1957,
foi eleita uma das mais belas misses 
do concurso de Miss Brasil.







recorte/ jornal O GLOBO/ 24jun1957


sábado, 24 de junho de 2017

Festa de São João


Festa de São João (1961)
de Heitor dos Prazeres, 
o pintor e poeta carioca
que gostava de retratar a vida
nas antigas favelas cariocas.
Festa de São João (1961) - Heitor dos Prazeres:



Nasceu no Rio de Janeiro, em 1898, e aqui faleceu em 1966. Cresceu na cercanias da zona do Mangue e da Praça 11. Aos 7 anos de idade trabalhava na rua. Frequentou as primeiras rodas de samba na casa da Tia Ciata. Está entre os fundadores da escola de samba Mangueira; e também 'Vai Como Pode', hoje Portela, nos anos 20.

Expoente do cavaquinho, criou um método revolucionário para o instrumento. Compositor, instrumentista e letrista, em parceria com Noel Rosa compôs a música carnavalesca Pierrô Apaixonado. Notabilizou-se como compositor de música popular. Foi um dos grandes compositores do samba carioca. Conviveu com sambistas como João da Baiana, Ismael Silva, Alcebíades Barcelos (Bide), Marçal, Cartola e muitos outros que participaram da criação das primeiras escolas de samba.

Em meados dos anos 30 começou a pintar mulatas, malandros, o samba e o mundo da favela. Participou da Bienal de São Paulo em 1951. Fez diversas individuais no Brasil e mostras nacionais e internacionais. Um se seus quadros foi adquirido pela rainha da Inglaterra.

Crianças brincando de soltar balão e pipas, pular corda e jogar argolas, homens jogando sinuca e baralho, jovens em festas juninas e rodas de samba são algumas situações que Heitor dos Prazeres mostrou em seus quadros coloridos e alegres. Uma das características mais marcantes em seus trabalhos são os rostos das pessoas sempre pintados lateralmente e com a cabeça e o olhar para o alto.

A origem de garoto pobre da Praça Onze fez de Heitor dos Prazeres um artista sensível à vida e à cultura carioca.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Machado de Assis em foto sobre abolição da escravatura




Hoje, 21 de junho, 
aniversário de Machado de Assis. 
Faria 178 anos.


E o RIO QUE MORA NO MAR comemora com uma foto rara e descoberta recentemente.

Em 17 de maio de 1888 aconteceu em São Cristóvão, no Rio de Janeiro, a missa em Ação de Graças pela Abolição da Escravatura. O evento aconteceu quatro dias após a Princesa Isabel assinar a Lei Áurea. Cerca de 30 mil pessoas participaram dessa missa e, entre negros, intelectuais, jornalistas e representantes do império e da igreja estava... MACHADO DE ASSIS.

A fotografia é um documento histórico e faz parte da coleção do Instituto Moreira Salles. Foi registrada por Antonio Luiz Ferreira, que, de posição privilegiada, conseguiu uma visão panorâmica e registrou o momento.






Nesta imagem da missa, aparecem princesa Isabel, conde D Eu (ao fundo), Machado de Assis (no canto direito, o segundo de baixo para cima)


Machado de Assis era abolicionista e criticou em diversas de suas obras o regime escravocrata.

A foto mostra também a importância de Machado perante a sociedade da época, sua posição junto à realeza brasileira, e ao lado de importantes figuras políticas e da igreja. Além da já mencionada posição do escritor contra o regime de escravidão.





sexta-feira, 16 de junho de 2017

Avenida Chile que surgia há 50 anos, em 1967






recorte do jornal O GLOBO de 17 de junho de 1967.
Clique nas imagens para ampliar.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Roupa Nova, banda carioca nascida nos anos 80

Sucesso de 1987,
há 30 anos,
VOLTA PRA MIM
pra recordar e ouvir!




sexta-feira, 9 de junho de 2017

ACONTECEU...entre os postos 5 e 6 de Copacabana


Notícia há 70 anos
nos dá conta de
ataque de tubarão em...
Copacabana!




Imagem relacionada

Varanda do Hotel Regente, em Copacabana, em frente ao local do fato.(1947)