terça-feira, 14 de julho de 2009

Lembrando a Marseillaise

"Allons enfants de la Patrie / Le jour de gloire est arrivé".



Eu , no São Marcos, na clássica foto de estudante.
E nossa querida gravata!

Hoje acordei me lembrando da Marseillaise e meu pensamento voou para as aulas de Francês da d. Vera.
Dona Vera Polo. Sempre com seus cabelos pintados de louro, com muito laquê e segurando seu indefectível cigarro aceso, politicamente incorreto, mas coisas da moda dos anos 60.

Era uma vanguarda ter aula de línguas, no primário.

Mas o São Marcos era pura vanguada. Ah! Ginásio São Marcos. Um palacete lindo, ali na rua São Salvador, transformado charmosamente em colégio, que de uma queda foi ao chão - como tantas construções antigas - para se transformar em mais um edifício de apartamentos.

Suas formas, pelo que me lembro, é o que chamaram de estilo eclético. À entrada, a pequena mureta e uma bela grade desenhada separavam a rua de um pequeno jardim, com um banco de cimento, de pés torneados, ao fundo. Era comum por ali a presença de belas borboletas voando. Vi inúmeras.

Ficávamos ali por fora até a campainha tocar, anunciando a entrada para as aulas. Pontualmente, às sete horas passávamos por um portão de madeira, adaptado à rampa de entrada, que separava a casa da rua, e íamos rumo às salas.

Sempre estudei nas salas do andar superior. O interior era exuberante. Ao entrar dois salões, no térreo,um à direita e outro à esquerda, todos envidraçados, vidros emoldurados em madeira. O da esquerda ainda tinha grandes janelões para o jardim. Neles ficavam as turmas maiores. Para o andar de cima subíamos por uma escada de mármore,em curva, com corrimão dourado, liso, brilhante. Chegávamos ao hall superior , com um pé direito magnífico e uma clarabóia linda que trazia, sempre, uma luz especial.

Cinco portas nesse hall, se abriam. Eram as várias salas de aulas, que em outros tempos, com certeza, foram belos e confortáveis quartos. Dois tinham varandas.

Estudei percorrendo cada uma delas. Em uma fiz o pré-primário, em outra o primeiro ano primário,com dona Helena. Alta, sempre de saia balão. Em mais uma, o segundo ano primário, com dona Palmira, sempre com seu sapato Moreira e bolsa balaio. Lembro de ter ido ao casamento dela, na Santa Margarida Maria, ali na Lagoa. Todo dia, na hora do lanche, ela comia uma maçã. Aquela mordida barulhenta, típica de quando a gente morde maçã. E aí passei a gostar de maçã e gosto até hoje. Por causa da dona Palmira.

Em outra sala do hall superior estudei o quarto ano primário, mas aí já de manhã. Foi uma inovação do colégio. Como ele começou só com o primário, as salas davam para todas classes. Nesse tempo, ele se chamava Externato São Marcos. Quando decidiram abrir o curso ginásio, ele trocou de nome, passou a se chamar, pomposamente, Ginásio São Marcos - ficamos todos bestas com isso! - e passou a funcionar em dois turnos: manhã e tarde.

O colégio tinhas outros cantinhos e caminhos que eram pérolas na casa.

Uma das salas do hall tinha uma porta nos fundos que fazia a ligação com ala da casa, que tinha duas direções.Uma subia e outra, descia.Eramcaminhos interessantes com escadas. Talvez, em alguma época, uma adega, uma despensa. Parecia um labirinto. E criança, já gosta disso, não?

Mas esconderijo era a carpintaria. Devia ter sido um sótão. E em tempos do filme Pollyana, era encantador subir, subir, que nem a Halley Mills até chegar. Lá de cima a vista era linda. Sem os prédios altos de hoje, a visão era panorâmica.

Os pisos da casa eram todos em tábuas corridas ou mármore. A casa tinha detalhes de entalhe, gesso. A cozinha e o banheiros, de cima - enorme(!) e dividido em pequenos boxes para meninos e meninas - tinham piso em azulejo hidráulico.

Bons tempos de São Marcos!

Bela casa, bela arquitetura, com inúmeros outros detalhes, que como tantas outras desapareceram sem deixar rastro. Nunca tive uma foto dessa casa. Gostaria de ter, pra que todos os que não conheceram, também se deliciassem com o belo local. Naqueles tempos era raro ter uma máquina fotográfica.

Ficaram, ainda bem, e com certeza, os rastros ma-ra-vi-lho-sos de muitas histórias felizes de convivência, e exemplos de professores queridos como dona Albertina, dona  Palmira, dona  Maria Isabel, Bia - a primeira professora que deixou chamar de você, um avanço!!! - , professor Navarro, professorDirceu, Frei Clemente, d. Maria Lídia, d. Odete, d. Maria Eliza - que nas suas aulas de inglês sempre dizia " be quiet!" - e a queridíssima Dona Saúcha, educadora de visão ampla, proprietária do colégio e suas ... estrelas douradas.

Mas isso já é história pra outro post.


 Dona Saúcha, em 1982



Vamos comemorar o 14 de julho!

Allons enfants de la Patrie
Le jour de gloire est arrivé
Contre nous de la tyrannie
L'étendard sanglant est levé (bis) ...



21 comentários:

  1. Sempre achei que minha memória era um arraso, sempre elogiada pelo meu marido que fica muito impressionado porque lembro de datas, números e etc..., mas a sua arrebenta hein!!! como é que você lembra de tantos detalhes. Amei, aguardo ansiosa pelo próximo capítulo.

    bjus

    Martha

    ResponderExcluir
  2. GENTE quantas memórias, fico emocionada de ver e ler essas recordacoes.
    Estou na Argentina e aqui ñ sei onde ficam as cedilhas,acento etc...Muito Obrigada. Beijooooos SAUDADES

    ResponderExcluir
  3. Pô !!!! Que shoooow, heim? Me fez voltar 40 anos no tempo... "túnel do tempo"... rsrsrs
    Que bela descrição. Eu fico emocionado com essas coisas, sabe? Só tenho tamanho... sou meio "manteiga derretida"... rsrs
    Pena que eu não tenha nenhuma foto do colégio para enviar.

    Oscar

    ResponderExcluir
  4. A descrição do São Marcos me transportou imediatamente para um dos melhores períodos da minha vida. Quanto prazer mergulhar nessas recordações.

    Sua memória me impressiona.

    Se eu pudesse scanear o que minha retina guardou, sua foto estaria pronta!

    Essa é parte do Rio que mora em nossos corações.

    Luiz Roberto Gouvêa

    ResponderExcluir
  5. Luiz Roberto,

    Você não é o irmão da Paulinha?
    Ela foi da minha turma do primário. Lembro de vocês.

    Abs,
    Elizabeth

    ResponderExcluir
  6. Elizabeth

    Sim, somo nós.

    Passei o link de seu blog para ela.

    Encontro aqui um elo de ligação com um passado prazeroso e rico de colegas e mestres que marcaram minha vida.

    ResponderExcluir
  7. Que bonito!
    Não precisamos de foto. Sua descrição, recheada das boas lembranças, vai ficar gravada melhor que qualquer imagem.
    Paula Gouvêa Leal

    ResponderExcluir
  8. Paula,
    Que bom você responder.
    Ah!São Marcos...realmente local querido de fartas e deliciosas lembranças.
    Nossa turma do ginásio depois de 40anos se reencontrou e está tentando programar uma reunião maior, do colégio, independente de turma e com a presença de alguns professores que ainda - Graças a Deus - estão por aí.
    Tomara que se consiga!
    Se puderem, você e Luiz me mandem seus e-mails para rioquemoranomar@oi.com.br, para futuros contatos.
    Abs,
    Elizabeth

    ResponderExcluir
  9. Estou emocionada em voltar ao tempo e recordar...e fui passeando pelo interior do colégio graças à memória privilegiada da Elizabeth!!!Obrigada!
    Agradeço também ao Luiz Roberto em ter me trazido para este bate papo sobre o saudoso Colégio São Marcos e as grandes figuras que me lembro: D. Saucha, D. Vera Polo, Prof. Dirceu, Prof. Navarro, D.Odete, Profa Elisa e o Inspetor Rui, lembram?
    abraços em todos Maria Vilma

    ResponderExcluir
  10. Prezada, Me senti com oito anos de idade, relembrando um passado de convivências maravilhosas, especialmente porque foi o meu primeiro hino e minha vó era francesa. Muito obrigado por me transportar a aquela época rica de experiências.
    Você deve ser a Maria Elizabeth, Maria Vilma, e o Luiz Roberto o Coutinho de Gouvea, acredito que estudamos na mesma sala do ginásio.
    Vi aqui tambem o comentário de meu irmão mais velho o Oscar Martins.
    Tenho passeado uma vez ou outra pelo Orkut - Comunidade do Colégio, mas não tive tantas lembranças como aqui.
    Saudades de todos!
    Quando se reunirem, por favor me avisem. sergiosmartins@hotmail.com

    ResponderExcluir
  11. Sergio,

    Não sou a Maria Elizabeth, sou só Elizabeth e minha turma era a do Denis, seu irmão.

    Realmente tempo de saborosas lembranças...

    Passeie mais por esse tempo, visitando a retranca ginásio são marcos. Acho que também vai curtir!

    Abraços,

    Elizabeth

    ResponderExcluir
  12. Prezada Elizabeth,
    Perdoe aminha fraca memória, as Marias eram a Vilma e Lúcia.
    Foi bom encontrar vocês.
    Abraços,
    Sérgio

    ResponderExcluir
  13. Pessoal, lindissima a publicação parabéns.
    EU Criei uma FanPage do Colégio São MArcas da São Salvador no Facebook. e lá já estão váááários ex alunos, vale a visita.

    Na realidade gostaria de poder publicar na nossa FanPage esta publicação. BJS

    Filipe Rhodes

    ResponderExcluir
  14. Filipe,

    Pode publicar, dando o devido crédito e endereço do blog.

    Você estudou no São Marcos?
    Abs,
    Elizabeth

    ResponderExcluir
  15. Eu estudei no Externato S. Marcos até os 8 anos de idade, em 1967 e hoje moro no norte dos US. Em todos esses anos só encontrei uma coléga--que nem era de aula, mas morava no mesmo edifício na R. Barão do Flamengo. O prédio do S. Marcos era bem pertinho da Praça do Catete, próximo à Barão. Não recordo os nomes das professoras, mas minha lembrança do colégio não é de um prédio tão maravilhosos como descreves... Lembro de acessar as salas de aula através de uma entrada onde o piso era avermelhado, tipo cimento pintado. Uma espécie de corredor largo que abria para o fundo. O pátio onde brincávamos no recreio era todo de cimento, sem uma árvore. No fundo, contra o muro, ficava uma sala longa, onte tínhamos aulas de música. Eu adorava minhas aulas de francês e inglês--línguas que falo até hoje, acresidas do italiano e espanhol. Minha sala de aula tinha aquelas "carteiras" antigas, face inclinada que abria para um compartimento onde colocávamos os livros. Tinha um orifício para colocar tinteiro que eu achava o máximo. (Talvez venha daí meu gosto pelo antigo?) Não tenho fotos, nada daquela época. Se tiveres fotos, poderias publicar? Eu adoraria vê-las. Emilia

    ResponderExcluir
  16. Elizabeth, o link que publicaste para "POR CAUSA DE UMA ÁRVORE" não funciona. Puxei pela memória o mais que pude e não lembro dessas salas que mencionas. Talvez tenhas continuado a estudar no Externato e por isso lembras? Fui no FaceBook e, apesar de não ter conta (pois tenho horror desse tipo de site), consegui ver fotos. Fantástico! Em matéria de casarão, lembro daquele que ficava na esquina da Barão do Flamengo com a Paissandú e que foi demolido. Era maravilhoso. Lembro, sim, das estrelas da Dona Saúcha--e depois que li o nome, me veio à memória claramente. Eu tive algumas douradas, que honra, não? Hoje em dia, ao menos aqui, não fazem mais isso, pois competição é considerado algo negativo. Pode, tamanha besteira? Lembro que me incentivava a fazer mais e melhor, a idéia de ser premiada com uma das lindas estrelas dela. Um dos colegas cujo nome lembro era o Gualter, que desenhava muito bem. Minha memória dessa época é mais das aulas de francês (que lembro um poema até hoje) e músicas que cantávamos. Em que anos estudastes no Externato?

    ResponderExcluir
  17. Emília e Elizabeth, ao ler seus comentários sobre a escola, lembrei também da casa em que D. Saúcha morou. Era um imponente casarão de frente para Rua Senador Vergueiro e fundos para a Praia do Flamengo. Acho que o pai da D. Saúcha era cônsul honorário de um pequeno país (Lexemburgo talvez). Mais tarde foi morar em outro que acho que ainda resiste na esquina da Rua São Clemente com D.Mariana ( da família Paula Machado).
    Luiz Roberto Coutinho de Gouvêa, aluno entre 1958 e 1965

    ResponderExcluir
  18. Oi Emília,

    Estudei no São Marcos entre 1957 , assim que ele abriu, até 1966. Entrei no jardim de Infância, lá fiz o primário, o admissão - que então existia - e os quatro anos do chamado ginásio.

    O link que você não conseguiu abrir. Tente

    POR CAUSA DE UMA ÁRVORE
    http://rioquemoranomar.blogspot.com.br/2008/10/por-causa-de-uma-rvore.html

    UMA CERTA DONA SAÚCHA
    http://rioquemoranomar.blogspot.com.br/2008/10/por-causa-de-uma-rvore.html

    Abs,
    Elizabeth

    ResponderExcluir
  19. Emília,

    Corrigindo...

    UMA CERTA DONA SAÚCHA
    http://rioquemoranomar.blogspot.com.br/2009/09/uma-certa-cecilia-lucia.html

    ResponderExcluir
  20. Oi Luiz Roberto,

    Pois é, fomos contemporâneos e memórias comuns. Outro dia, um amigo desse mesmo tempo recordava dizendo

    "... depois do colégio ia quase sempre para a casa dela com o Luiz Antônio Bandeira de Melo (ele e os irmãos foram morar lá depois que a mãe faleceu). Era um casarão que tinha a entrada na Senador Vergueiro e os "fundos" para a praia do Flamengo (quando a casa foi construída a areia ia até lá)..."

    O lindo palacete onde residiu Dona Saúcha virou um feioso prédio com um supermercado embaixo. Uma pena.

    Outro dia, aliás, encontrei na Tijuca(onde continua morando )nossa ex-professora Maria Vilma. Alegre, como sempre, mas... esquecida. Não lembrou nem de mim nem da minha irmã. Uma pena! Mas mesmo assim batemos um bom papo.

    EM TEMPO: Dona Saúcha faleceu em maio desse ano, aos 94 anos.

    Abs,
    Elizabeth

    ResponderExcluir
  21. Ao Anônimo que escreveu em 17 de julho às 05:40. Wow, que memória. Imagino que lindo o casarão. Eu era fascinada pelo casarão que existia na esquina da Barão do Flamengo com a Paisandú. Lembram? A última vez que estive no Brasil creio que vi um prédio onde estava o casarão... Eu fiz uma longa pesquisa há anos para um livro (ficção) que estou escrevendo (e um dia termino!) sobre o Rio antigo. Fiquei fascinada! Cada foto maravilhosa--nos livros brasileiros que obtive através da Library of Congress em D.C.!

    ResponderExcluir

Comente! Seja bem-vindo!